Blog

Carro: um perdulário de espaço

Diante da choradeira dos paulistanos por por causa das novas faixas de ônibus (como se elas – e não os próprios automóveis – é que fossem as responsáveis pelos congestionamentos), aqui vão uns cálculos rápidos.

Congestionamento é falta de espaço. Esta é uma tentativa de comparar quanto um passageiro paga pelo uso do metro quadrado de rua quando utiliza carro e ônibus. Conclusão: o passageiro de ônibus paga pelo menos 3,6 vezes mais que o passageiro de automóvel pela utilização do mesmo espaço público das vias.

11 de Setembro: perguntas ainda sem resposta

"Crê nos que buscam a verdade. Duvida dos que a encontraram."
(André Gide)

No início da minha vida adulta, não havia internet. Estar "bem informado" sobre o que acontecia no mundo era relativamente fácil, mera questão de acompanhar a meia-dúzia de veículos a que tínhamos acesso. Não havia motivo para duvidar deles, pois em geral se endossavam mutuamente, pelo menos nas narrativas fundamentais, e apresentavam uma versão consistente dos fatos – a versão "oficial".

O Hall

Dois grandes portões de ferro trabalhado, idênticos, um à frente do outro, formando uma cela, adiante um espelho d’água com cascata, e atrás, emoldurado por duas colunas, o hall envidraçado, pé-direito duplo, exibindo orgulhoso todo seu interior aos transeuntes, com poucas e requintadas peças de mobiliário. O centro era rigidamente marcado, acima por um lustre pendente de galhos de cristal, folhas de latão e lâmpadas no lugar de flores; abaixo pelo piso, ornado por uma rosácea de mármores brancos, pretos e castanhos. Ao fundo, um grande espelho duplicava todos os elementos e a rua.

Dos significados do K

Casimiro Leal não costumava dedicar muita atenção ao mural de Maria Cândida, posto que suas atualizações de status em geral versavam sobre banalidades, o trânsito para o trabalho, se ia chover ou fazer sol, as colheitas de Farmville, youtubes de artistas populares, abaixo-assinados pelo meio-ambiente, adoção de cãezinhos abandonados.

Troque seu apartamento por um sobrado

O alto preço e a escassez de terrenos no centro expandido de São Paulo provocou a verticalização de bairros inteiros. Lugares onde antes havia baixa densidade e ocupação predominantemente horizontal hoje estão tomados por torres de apartamentos ou de escritórios. Foi a maneira que o mercado imobiliário encontrou para viabilizar a oferta de novos imóveis em áreas com melhor infraestrutura urbana, diluindo o preço dos terrenos por mais unidades. É também por isso que apartamentos novos são geralmente menores que os antigos.

A insustentável propaganda do Citi

Hoje de manhã (domingo!) toca a campainha em casa: motoboy enviado pelo Citibank com entrega especial. Chega esta linda caixa preta e dourada da foto ao lado. Suas dimensões são de aproximadamente 30x10x10cm. "Puxa", pensei, "deve ser um lindo brinde de fim-de-ano". Dentro dela havia um talão de cheques, um cartão de débito e... mais nada!

Minha Primeira Bicicletada

Sempre gostei de pedalar e me entusiasma o potencial revolucionário da bicicleta para causar transformações positivas na cidade. Me viro razoavelmente bem sobre o selim durante o dia: conheço os macetes de substituir as avenidas expressas por ruas menores e mais seguras, entre outras providências de pedal defensivo, já tendo superado o mito de que pedalar em São Paulo é uma loucura quase suicida, como muitos ainda acreditam.

Daniel Libeskind no TED

Nessa verdadeira aula de arquitetura, Libeskind conclama arquitetos a abandonarem suas zonas de conforto, falando do papel dos edifícios e das cidades em nossas vidas, do uso do computador na arquitetura, entre outras coisas. Como diz o slogan do TED, são ideias que valem a pena espalhar, e não só entre arquitetos (clique em "Subtitles para ligar a legenda).

Páginas