Cidades

Minha experiência no Round N Around Design Lab

Eu não poderia imaginar o que estava para acontecer quando, navegando despretensiosamente pelo Facebook, esbarrei num convite para um projeto colaborativo de fomento à mobilidade por bicicleta em São Paulo por meio da aplicação de técnicas de “design persuasivo” e “urbanismo tático” – coisas que eu não sabia exatamente o que significavam, mas os nomes eram ótimos!

O projeto Round N Around, liderado por pesquisadores do Citizen Data Lab, da Universidade de Ciências aplicadas de Amsterdã, em parceria com o Inovalab, da USP, buscava voluntários para propor maneiras de incentivar o uso da bicicleta em São Paulo usando tecnologias digitais, visualização de dados, redes sociais, internet das coisas etc. Eram apenas 20 vagas e as inscrições já estavam se encerrando, mas com essa descrição eu não tinha como não responder, ainda que minhas chances de ser selecionado fossem baixas.

Carro: um perdulário de espaço

Diante da choradeira dos paulistanos por por causa das novas faixas de ônibus (como se elas – e não os próprios automóveis – é que fossem as responsáveis pelos congestionamentos), aqui vão uns cálculos rápidos.

Congestionamento é falta de espaço. Esta é uma tentativa de comparar quanto um passageiro paga pelo uso do metro quadrado de rua quando utiliza carro e ônibus. Conclusão: o passageiro de ônibus paga pelo menos 3,6 vezes mais que o passageiro de automóvel pela utilização do mesmo espaço público das vias.

Troque seu apartamento por um sobrado

O alto preço e a escassez de terrenos no centro expandido de São Paulo provocou a verticalização de bairros inteiros. Lugares onde antes havia baixa densidade e ocupação predominantemente horizontal hoje estão tomados por torres de apartamentos ou de escritórios. Foi a maneira que o mercado imobiliário encontrou para viabilizar a oferta de novos imóveis em áreas com melhor infraestrutura urbana, diluindo o preço dos terrenos por mais unidades. É também por isso que apartamentos novos são geralmente menores que os antigos.

Face Norte: mitos e verdades

Quem já leu anúncios classificados de imóveis decerto já se deparou com a expressão "face norte", usada como argumento de venda, como se isso fosse necessariamente uma vantagem merecedora de destaque. Afinal, uma edificação voltada para a face norte é mesmo superior àquelas viradas para as faces sul, leste ou oeste? A resposta curta é: depende.